Procissão do Senhor Morto é realizada na Pároquia Bom Jesus (Catedral) em Pouso Alegre

Nesta Sexta-feira Santa da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo a Igreja celebra o momento da morte de Jesus na Cruz e o seu sepultamento. Neste dia nossas comunidades paroquiais costumam fazer a encenação da Paixão e em seguida a procissão do sepultamento. Confira como foi este momento na Paróquia Bom Jesus em Pouso Alegre:

Santa Missa do Crisma é celebrada por Dom Ricardo na Catedral Metropolitana

Na manhã desta Quinta-feira Santa na  Catedral Metropolitana de Pouso Alegre – MG foi celebrada a santa Missa do Crisma presidida por nosso Arcebispo Dom Ricardo Pedro Chaves Pinto Filho O.Praem. e concelebrada pelo clero arquidiocesano. Nesta celebração da Quinta-feira santa foram abençoados pelo nosso Arcebispo os Santos óleos dos Catecúmenos, do Crisma e da Unção dos Enfermos, ainda nesta Santa Missa os presbíteros fizeram a renovação de suas promessas sacerdotais.

Confira abaixo a reportagem  da WebTV Católicos PA:

Falecimento de Mons. Júlio Perlatto

mons JúlioFaleceu na manhã desta quarta-feira santa no Hospital Santa Paula em Pouso Alegre, MG. Monsenhor Júlio Perlatto. Mons. Júlio Perlatto nasceu em Jacutinga no dia 22 de novembro de 1928. Entrou para o Seminário de Pouso Alegre em 1941. Em  1947 iniciou os cursos  Filosofia e Teologia em Mariana e foi ordenado padre no dia 8 de dezembro de 1952 por Dom Delfim Ribeiro Guedes, natural de Maria da Fé (Dom Otávio se encontrava enfermo). Como sacerdote atuou em diversas paróquias, como capelão do Hospital Regional, formador e professor  no Seminário Arquidiocesano.

O seu corpo será velado a partir das 13h na Catedral Metropolitana de Pouso Alegre, com a celebração da Missa exequial presidida por nosso Arcebispo Dom Ricardo Pedro Chaves Pinto Filho O. Praem, às 17h e em seguida o seu corpo será levado para a Funerária Ferraciolli onde permanecerá  durante a noite até a manhã de quinta-feira de onde sairá para o sepultamento no Cemitério Municipal às 10h.

 

 

Confira na íntegra a entrevista dada por Mons. Júlio Perlatto ao site Memória do Povo:

“Eu nasci no dia 22 de novembro de 1928, na fazenda do meu avô, em Jacutinga [MG]. nasci numa tulha de café. Minha mãe entrou em trabalho de parto e o lugar mais próximo pra ela dar à luz era essa tulha. Morei na fazenda por uns tempos e depois fui morar num bairro ali pertinho chamado Ribeirão São Paulo. E lá eu fiz os dois primeiros anos de escola. Tive uma infância na roça, varrendo café, apartando vaca e tirando leite.”

Vinda para o Seminário

“Mais tarde, meu pai comprou uma casa em Jacutinga e montou um comércio lá. E eu fiquei morando com eles até entrar para o Seminário em 1941. Essa minha decisão agradou muito minha mãe, pois ela era extremamente religiosa.

O Seminário era ali onde hoje é o Colégio Estadual. Ali eu terminei o ginásio, fiz o colegial. Em 1947, fui estudar em Mariana, onde fiquei mais sete anos. Fiz três anos de Filosofia e quatro de Teologia.

Ordenei-me padre no dia 8 de dezembro de 1952. Fui ordenado por Dom Delfim Ribeiro Guedes, natural de Maria da Fé, que, nessa época, era o nosso bispo. Dom otávio, o bispo oficial, estava muito doente.

Nosso primeiro bispo foi o Dom Assis. Depois, veio o Dom Otávio, que ficou 31 anos conosco. Depois, veio o Dom José D’Angelo neto, que ficou 30 anos.

Trabalhei cinco anos com o Monsenhor Rigotti, em Jacutinga, e com o Dom Oscar de Oliveira, que era bispo auxiliar aqui em Pouso Alegre. Mais tarde, eles me trouxeram pra trabalhar no Seminário daqui de Pouso Alegre. Trabalhei aqui durante dez anos, de 1958 a 1968.”

O Seminário como morada

“Em agosto de 1968, eu vim definitivamente morar aqui no novo Seminário. Fui o primeiro padre a vir. O prédio ainda estava em construção, mas, aos poucos, a obra foi sendo concluída. Quem construiu esse Seminário foi o Dom José D’Angelo Neto, o primeiro arcebispo de Pouso Alegre.

Aqui, eu lecionei latim, grego e francês. no curso de Teologia, lecionei a história da Igreja.

Durante esses 46 anos de atividade religiosa, fui capelão no Hospital Regional. levantava às cinco horas da manhã, pegava meu carro e, às cinco e quarenta e cinco, eu já estava lá.

Em 1996, passou a funcionar o curso de Teologia aqui e formamos muitos padres.

No curso de Filosofia, os alunos são todos da Arquidiocese de Pouso Alegre, que agrega 58 paróquias.

Com a implantação da Teologia, os alunos de Guaxupé e Campanha [Dioceses mineiras] passaram a estudar aqui. Cada grupo de alunos das cidades pertencentes as duas Dioceses tem sua residência aqui perto. Elas são responsáveis pela manutenção de seus alunos.

Atualmente, a formação ginasial e colegial não é feita mais no Seminário. Os meninos fazem essa formação numa escola regular, no Colégio São José [Pouso Alegre]. E quando vão ingressar no curso de Filosofia, passam a residir aqui.

Hoje, temos uma média de trinta alunos internos vindos de várias cidades que compõem a Arquidiocese de Pouso Alegre.

Temos outros padres que residem aqui: Monsenhor João Faria, padre Heraldo, Monsenhor Mauro Faria, que é o reitor do Seminário, e o padre Dionísio, que é diretor da Faculdade de Teologia.

Nossos cursos de Filosofia e Teologia hoje são abertos para leigos também, mas antes era somente para padres.

Nossa Arquidiocese tem mais de cem padres e a vocação esteve muito presente pra nós aqui, pois em outras Dioceses há muita carência de padres.

O Seminário sempre procura dar apoio aos movimentos sociais, como o apoio à família, à educação e na própria formação dos futuros padres, que vão levar a palavra de Deus para outras comunidades. os nossos alunos saem para ajudar em outras paróquias, pois precisam entrar em contato com o povo e conhecer a mentalidade desse povo.”

O hoje

“Em 2003, eu sofri uma queda, fraturei o fêmur e passei por uma cirurgia. No ano seguinte, levei outro tombo e fraturei uma costela.

Depois de um ano e meio, passei por uma cirurgia na cabeça e então deixei de lecionar após 46 anos como professor. Já faz seis anos que eu deixei de lecionar e já tem mais de quarenta que eu moro no mesmo quartinho.

Meu trabalho hoje é atender aos alunos e às confissões. Eu fazia a celebração das missas na Catedral, mas tive que deixar também. Atualmente, eu concelebro com os padres aqui no Seminário as missas na Igreja de São José Operário e São Paulo.

Minha rotina hoje é levantar às cinco horas da manhã. Tomo meu café e fico ali no prédio dos teólogos até umas dez horas. Venho para o jardim fazer uma caminhada e tomar um pouco de sol.

Gosto de ler também. Antes, a leitura era mais presente na minha vida, mas hoje ando meio cansado. Sigo o noticiário da TV e não vejo outra programação. Para mim, que sou padre, a TV é de péssima qualidade. não dá pra aproveitar quase nada.

Sou muito feliz na minha vida religiosa. Nunca me arrependi do meu caminho. Nunca tive essa tentação de casamento. Sempre trabalhei com o espírito aberto para o bem do Seminário e sou muito feliz aqui. Estou correspondendo à vocação que Deus me deu, pois sem vocação não se consegue ficar aqui.

Meu lema como padre é um trecho da Sagrada Escritura, escrita pelo apóstolo São Paulo na Primeira Carta aos Coríntios: ‘Eu sou o que sou pela graça de Deus’.

Fonte:  http://memoriadopovo.com.br

Arquidiocese celebra Domingo de Ramos

As comunidades da Arquidiocese de Pouso Alegre celebraram neste Domingo, dia 24, o Domingo de Ramos – A celebração desse dia lembrou a entrada de Jesus em Jerusalém, aonde vai para completar sua missão, que culminará com a morte na cruz. Os evangelhos relatam que muitas pessoas homenagearam a Jesus, estendendo mantos pelo chão e aclamando-o com ramos de árvores. Por isso hoje os fiéis carregam ramos, recordando o acontecimento. Imitando o gesto do povo em Jerusalém, querem exprimir que Jesus é o único mestre e Senhor.
Confira como foi a celebração em nossa Arquidiocese:


 

Fonte:
Blog O Paraíso de José http://oparaisodejose.blogspot.com.br/
Pascom de Fátima – PA, Silvianópolis, Cambuí e Paraisópolis
WebTV Católicos PA

Igreja se prepara para celebrar a Semana Santa

ramosNeste domingo, 24, começa a Semana Santa. O período tem início com o chamado Domingo de Ramos. A data celebra a entrada de Jesus em Jerusalém, poucos dias antes de passar pela Paixão, Morte e Ressurreição. Neste dia, paróquias e comunidades realizam procissões e missas especiais. A reportagem é de Suzana Coutinho, da Rádio Difusora.

Fonte: Rádio Difusora de Pouso Alegre

Papa “abraça o mundo” e convida a lutar juntos contra a pobreza e em prol da paz

“O abraço do Papa ao mundo”: assim Francisco definiu a audiência esta manhã, na Sala Regia, no Vaticano, ao Corpo Diplomático acreditado junto à Santa Sé.
“Por vosso intermédio, encontro os vossos povos e deste modo posso, em certa medida, alcançar cada um dos vossos concidadãos com suas alegrias, dramas, expectativas e desejos” – disse o papa no início do seu discurso, recordando a preocupação primordial da Santa Sé, isto é, o bem de todo o homem que vive nesta terra.

Nessa missão, afirmou o Pontífice, é bom poder contar com a amizade dos países acreditados, fazendo votos de que se inicie também um caminho com os poucos países que ainda não têm relações diplomáticas com a Santa Sé.
Como em outras ocasiões, o Papa voltou a falar dos motivos que o levaram escolher o nome Francisco: um dos primeiros é o amor que Francisco tinha pelos pobres.

“Ainda há tantos pobres no mundo! E tanto sofrimento passam estas pessoas! A exemplo de Francisco de Assis, a Igreja tem procurado, sempre e em todos os cantos da terra, cuidar e defender quem passa indigência e penso que podereis constatar, em muitos dos vossos países, a obra generosa dos cristãos que, deste modo, trabalham para construir sociedades mais humanas e mais justas.”
Mas há ainda outra pobreza, advertiu Francisco, que é a pobreza espiritual, que afeta gravemente os países considerados mais ricos. É aquilo que Bento XVI chama de “ditadura do relativismo”, que deixa cada um como medida de si mesmo, colocando em perigo a convivência entre os homens.
“E assim chego à segunda razão do meu nome. Francisco de Assis diz-nos: trabalhai por edificar a paz. Mas, sem a verdade, não há verdadeira paz. Não pode haver verdadeira paz, se cada um é a medida de si mesmo, se cada um pode reivindicar sempre e só os direitos próprios, sem se importar ao mesmo tempo do bem dos outros, do bem de todos, a começar da natureza comum a todos os seres humanos nesta terra.”

Ser Pontífice, explicou, é servir de ponte entre Deus e os homens, fazendo votos de que o diálogo entre a Santa Sé e os países ajude a construir pontes entre todos os homens, de tal modo que cada um possa encontrar no outro não um inimigo nem um concorrente, mas um irmão que se deve acolher e abraçar. Além disso, acrescentou, suas próprias origens impelem-no a trabalhar para construir pontes: “Como sabeis, a minha família é de origem italiana; e assim está sempre vivo em mim este diálogo entre lugares e culturas distantes”.
Neste trabalho, o Papa considera fundamental o papel da religião, já que não se podem construir pontes entre os homens esquecendo Deus; e vice-versa. “Por isso, é importante intensificar o diálogo entre as diversas religiões”, citando de modo especial o diálogo com o Islã e com os que não creem.

Lutar contra a pobreza, tanto material como espiritual, edificar a paz e construir pontes: este é o caminho para o qual Papa Francisco convida cada país. “Um caminho que será difícil, se não aprendermos a amar cada vez mais esta nossa terra. Também neste caso, me serve de inspiração o nome de Francisco: ele ensina-nos um respeito profundo por toda a criação, ensina-nos a guardar este nosso meio ambiente, que muitas vezes não usamos para o bem, mas desfrutamos com avidez e prejudicando um ao outro.”


 

Fonte: Radio Vaticano

Papa Francisco deve ampliar visita ao Brasil em julho

Papa_e_Dilma_CNBBAlém de participar da Jornada Mundial da Juventude em julho deste ano, o Papa Francisco também deve viajar à Aparecida. A confirmação foi feita pelo próprio Pontífice à presidente Dilma Rousseff, que foi recebida na manhã desta quarta-feira, 20, no Vaticano, pelo Papa Francisco, durante uma audiência particular. No dia de ontem, terça-feira, falando aos jornalistas a presidente afirmou que a Jornada Mundial da Juventude seria o “tema central” do encontro com o Papa Francisco.

“A Jornada – disse a Presidente -, vai atrair para o Brasil milhares de jovens católicos, que serão muito bem recebidos, como a gente sempre faz”, acrescentou. A visita ao Rio para a Jornada Mundial da Juventude, em julho, deverá ser a primeira grande viagem do Papa Francisco.

O papa Francisco disse à presidente Dilma Rousseff que é necessário empenho conjunto para combater as drogas e reforçar os valores e os princípios para a juventude. Dilma foi a primeira chefe de Estado recebida por Francisco, depois da cerimônia que marcou ontem (19) o início do seu pontificado. Na conversa, o papa lembrou que a construção do futuro depende da juventude.

“[O papa] falou sobre a importância da juventude na construção do futuro da humanidade e que a Igreja [Católica], como uma instituição secular, tem no jovem um foco muito grande”, disse a presidente, após o encontro com o papa, no Vaticano.

Dilma disse que Francisco ressaltou que é fundamental, para o combate às drogas, reforçar valores e princípios. “Conversamos sobre a questão das drogas e do crack, o reforço de valores, princípios e símbolos para a juventude”, destacou.

A presidente acrescentou que o papa confirmou que participará da Jornada Mundial da Juventude, nos dias 23 a 28 de julho, no Rio de Janeiro.

“Ele [o papa] disse que espera uma presença grande dos jovens [durante a jornada]”, contou ela. Segundo Dilma, o papa disse que pretende, depois da jornada, visitar Aparecida (SP) – onde está o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida.

“Ele [o papa] disse que vai a Aparecida, depois [da jornada]. Ele até me lembrou que, em 2007, esteve em Aparecida, e me deu um livro do que eles [os bispos latino-americanos] fizeram em 2007”, contou a presidente, lembrando da recomendação de Francisco de que ela “não leia o livro todo”.

“’Você não precisa ler tudo porque você pode se aborrecer, então você pega o índice e vai nos assuntos que te interessa’, ele me disse”, contou Dilma, entre sorrisos, demonstrando o bom humor de Francisco.

A presidente se disse impressionada como o papa se comporta como uma pessoa normal. “Ele [Francisco] é o primeiro muitas coisas: é o primeiro Francisco, primeiro jesuíta, primeiro latino-americano e primeiro argentino”, acrescentou Dilma, informando que percebeu bastante entusiasmo no papa.

A Rádio Vaticano informou que o Cardeal Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida (SP) e presidente da CNBB, ficou feliz ao receber a notícia. Porém, ainda não há maiores detalhes sobre esse acréscimo no roteiro da visita do Santo Padre ao país. “É uma notícia que me enche de alegria. Os devotos de Nossa Senhora Aparecida, em todo o Brasil, também devem estar transbordando de alegria”, disse dom Damasceno.

 

Com informações da CNBB
Fotos: Rádio Vaticano

Papa: “Cuidar das pessoas que estão na periferia do nosso coração”

Foto: Revista Época
Foto: Revista Época

Na solenidade de São José, Papa Francisco dedicou toda a sua homilia às virtudes do patrono da Igreja – e como podemos nos inspirar em suas qualidades. Logo no início, recordou seu Predecessor, que celebra seu onomástico, para que o acompanhemos com a oração, “cheia de estima e gratidão”.

Comentando as leituras do dia, falou da missão de José: ser custos, guardião. Guardião de quem? De Maria e de Jesus, mas é uma guarda que depois se alarga à Igreja. Uma guarda que se realiza com discrição, com humildade, no silêncio, mas com uma presença constante e uma fidelidade total, mesmo quando não consegue entender.

“Deus não deseja uma casa construída pelo homem, mas quer a fidelidade à sua Palavra, ao seu desígnio.”

José responde à vocação de Deus com disponibilidade e prontidão; tendo Cristo no centro da vocação

Foto: Portal Uol
Foto: Portal Uol

cristã. Entretanto, a vocação de guardião não diz respeito apenas a nós, cristãos, mas tem uma dimensão antecedente, que é simplesmente humana e diz respeito a todos: é a de guardar a criação inteira, a beleza da criação, como se diz no livro de Génesis e nos mostrou São Francisco de Assis: é ter respeito por toda a criatura de Deus e pelo ambiente onde vivemos.

É guardar as pessoas, cuidar carinhosamente de todas elas e cada uma, especialmente das crianças, dos idosos, daqueles que são mais frágeis e que muitas vezes estão na periferia do nosso coração. É cuidar uns dos outros na família. É viver com sinceridade as amizades. “Sejam guardiões dos dons de Deus!”

E quando o homem falha nesta responsabilidade, quando não cuida da criação e dos irmãos, então encontra lugar a destruição e o coração fica ressequido. “Infelizmente, em cada época da história, existem «Herodes» que tramam desígnios de morte, destroem e deturpam o rosto do homem e da mulher.”

Papa Francisco pediu “por favor” aos que ocupam cargos de responsabilidade em âmbito econômico, político ou social, a todos os homens e mulheres de boa vontade: “Sejamos ‘guardiões’ da criação, do desígnio de Deus inscrito na natureza, guardiões do outro, do ambiente; não deixemos que sinais de destruição e morte acompanhem o caminho deste nosso mundo! Mas, para «guardar», devemos também cuidar de nós mesmos. Lembremo-nos de que o ódio, a inveja, o orgulho sujam a vida; então guardar quer dizer vigiar sobre os nossos sentimentos, o nosso coração, porque é dele que saem as boas intenções e as más: aquelas que edificam e as que destroem. Não devemos ter medo de bondade, ou mesmo de ternura”.

A seguir, Francisco falou do início do seu ministério como novo Bispo de Roma, Sucessor de Pedro, que inclui também um poder. Mas de que poder se trata? – questionou, respondendo com o convite de Jesus a Pedro: apascenta as minhas ovelhas.

“Jamais nos esqueçamos que o verdadeiro poder é o serviço, e que o próprio Papa, para exercer o poder, deve entrar sempre mais naquele serviço que tem o seu vértice luminoso na Cruz; deve olhar para o serviço humilde, concreto, rico de fé, de São José e, como ele, abrir os braços para guardar todo o Povo de Deus e acolher, com afeto e ternura, a humanidade inteira, especialmente os mais pobres, os mais fracos, os mais pequeninos, aqueles que Mateus descreve no Juízo final sobre a caridade: quem tem fome, sede, é estrangeiro, está nu, doente, na prisão.”

Este é o serviço que o Bispo de Roma e todos nós somos chamados a cumprir: dar esperança perante tantos ‘pedaços de céu cinzento’.

“Guardar a criação, cada homem e cada mulher, com um olhar de ternura e amor, é abrir o horizonte da esperança, é abrir um rasgo de luz no meio de tantas nuvens, é levar o calor da esperança! Para nós cristãos, a esperança que levamos tem o horizonte de Deus que nos foi aberto em Cristo, está fundada sobre a rocha que é Deus”, concluiu Papa Francisco, pedindo a intercessão da Virgem Maria, de São José, de São Pedro e São Paulo, de São Francisco, para que o Espírito Santo acompanhe o seu ministério.

 

Com informações Rádio Vaticano

Faculdade Católica celebra São José

h01Diretores, professores, alunos e funcionários da Faculdade Católica de Pouso Alegre celebraram na manhã desta terça-feira, 19, a festa do Padroeiro São José. A Missa foi celebrada no salão nobre da faculdade e foi presidida pelo Diretor Administrativo, Cônego Mauro Morais e concelebrada por outros padres que compõe o corpo administrativo, docente e também formadores dos seminários das províncias.

Em sua homilia, padre Fábio de Sousa Leão, diretor do curso de Teologia, lembrou a honestidade e fé de São José.

“São José é aquele que procura fazer a vontade de Deus. São José é o homem justo e protetor doh09 Menino Jesus. Juntamente com Nossa Senhora, José dá condições para que o Menino Jesus não fosse morto. São José percebe na fragilidade de uma criança ocultava-se o Verbo da vida. São José teve suas dificuldades, mas acreditou  com um coração justo”, afirmou.

Toda a liturgia da missa foi preparada pelos alunos do 7º período de Teologia, contando com a participação de alunos de outros períodos também.

 

 

Veja fotos